terça-feira, 10 de abril de 2012

Conto do nobre João


João era um jovem negro, morava no subúrbio filho de dona Ataíde diarista e de Marcos um gari, João tinha mais dois irmãos Ana Claudia e Matheus o mais velho, João era o casula menino cheio de sonhos com um coração jovem de alma madura. João escrevia seus sonhos e sua paixão pela lua, enquanto Matheus liderava um grupo Satânico e Ana dançava em um casa noturna.

João lutava por uma vida digna, queria dar descanso a vida sofrida de seus pais, enquanto sonhava com sua amada. João embora humilde não aceitasse sua condição de vida e nem a forma covarde de como o sistema funcionava, João começou a tirar proveito do sistema usando sua cor, começou a faculdade no ano seguinte, enquanto seus irmãos embora felizes continuassem sem ambição.

Semanas após ter iniciado sua faculdade de filosofia João provou o gosto amarga da dor ao perder seu pai em uma enchente onde seu barraco desabou, João culpava mais uma vez o sistema. No semestre seguinte João conheceu Lelo um jovem burguês sustentado pelo pai, dependente químico desde seus 14 anos de idade, liderando seu próprio negocio aos 17 anos, João amargurado se entregou as promessas de dinheiro fácil apresentadas por Lelo, esqueceu seus sonhos já não procurava sua amada e nem olhava a lua prateada sua fonte de inspiração, a ambição tinha tomado conta de seu nobre coração.

Lelo provou mais uma vez a João que o sistema era sujo ao ser preso em fragrante por trafico de drogas e não passar nem um dia na prisão. (- É meu irmão dinheiro compra sua liberdade!). João se achava capaz, acreditava nas palavras de Lelo se entregando a todo seu jogo sujo em troca de proteção e muito dinheiro na mão, esqueceu tudo aquilo que seu velho pai lhe ensinou trocou seus sonhos por uma ilusão e sua liberdade por um fuzil na mão.

Enquanto Lelo se drogava João liderava a boca norte, conheceu o que era a maldade e o poder de ser superior aprendeu a ser covarde e matou seu ex professor homosexual por alguns reais e sua vida apagou. Lelo tinha o elemento “x” o dinheiro, João tinha o elemento “Y” a crueldade, agora já não tinha mais sonhos apenas uma arma em punho que lhe tornava vencedor.

Sentindo imensa vergonha e achando indigno tirou sua irmã da vida fácil, e mostrou a Matheus a evangelização, Matheus não aceito suas condições e seguiu liderando rituais ao portador da luz, Matheus tinha seus dons ensinava a arte de desenhar como voluntário em uma humilde escola de ensino fundamental , enquanto João desperdiçava seus sonhos se tornando um animal.

João se sentia no topo como um grande vencedor possuía dinheiro, poder era respeitado, comprou seu primeiro carro e trocou a faculdade por um basiado, tirando proveito de toda situação se sentia como o sistema cruel sem família, sem dor, foi quando conheceu Luiza moça esquia de olhar brilhante que sonhava em ser professora, algo dentro de João havia mudado.

Luiza se rendeu a João e começaram a namorar então, o toque de sua mão conseguia chegar até seu coração, João queria mudar acreditava que nunca era tarde para consertar seus erros já não culpava tanto o sistema e decidiu voltar a ser o velho João só não sabia que não havia mais tempo não. Voltou a faculdade e a visitar seus irmãos mas dos negócios com Lelo não conseguiu se escapar não.

Noite agradável de outono Luiza e João decidem apreciar a noite com uma grande revelação, João iria ser pai, seu coração não cabia em seu peito lembrou-se do velho pai e de seus ensinamentos, pensou em sua pobre mãe largada em um asilo qualquer, voltou a ter compaixão. Em meio a sirenes e gritos de vai pro chão João encontrou novamente seu coração, eufórico não entendendo a situação, olhou novamente para os olhos de sua amada e antes de cair no chão disse a Luiza então olhando para lua na imensidão:

“Senti o gosto da lua, vivi suas fases mas foi no brilho de seu olhar que aprendi o que é amar!”

E seus olhos se fecharam então...



OBS: Os nomes dos personagens acima são fictícios qualquer semelhança é mera coincidência

3 comentários:

Sissym disse...

É para euzinha chorar?! Já tá dificil encontrar um amor de verdade, e ele tem fim?! ah não....

Beijos

luciana disse...

Oi minha ruiva querida, bom dia!!

Que mistura de sentimentos mais interessante... tão triste e tão real, um toque de beleza e amor, ilusão e arrependimento é um querer sem poder ou sem conseguir e, de repente, nem querer...
Infelizmente essa é uma triste e dura realidade que vivemos diariamente, mas muitas vezes não queremos enxergar.

Beijos!!!!
Lu

Dri Viaro disse...

Muito bonito Juci!

beijos


Dri Viaro
www.driviaro.com.br
www.ameliasdesalto.com
www.ateliefesteiro.blogspot.com

Postar um comentário