quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Sombras




Sou imensidão 
Perdida no horizonte
Suspensa em um céu 
Não tão azul 
Carregada de desejos
Sou a onda misteriosa
Em um paraíso esquecido
Camuflado, desbotado
Inexplicável “não ter”
De cores frias de almas nuas
E mentes vazias
Sou o ar rarefeito 
Desfeito, feito maldição.
Sou a dama da noite
Imaculada sobre a escuridão
De passos silenciosos
Procurando um novo refrão
Uma nova canção
Que transmita luz
Em um mundo que 
Conduz-me a ser apenas
Escuridão...


2 comentários:

António Jesus Batalha disse...

Encontrei seu blog e é uma honra estar a ver e ler o que escreveu, quero felicitar-vos, pois é um bom blog, sei que irá sempre fazer o melhor, dando-nos boas noticias, e bons temas.
Quero aproveitar a oportunidade para partilhar o meu blog : Peregrino E Servo.
Vou ficar muito feliz se tiver a gentileza de fazer uma visita ao meu blog.
PS. Se seguir, fique a saber que irei seguir também seu blog, se o conseguir encontrar.
António Batalha.
Parabéns e muitas felicidades.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

Luciano disse...

Luz nas trevas almejo,
no mais intimo desejo,
se tiver tino e lampejo,
pode ser que seres apaixonados recebam e retribuam beijos.

De teu amigo

Postar um comentário