segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Morada em seu ser...


Quando sua ausência
Torna-se presença
Em cada passo
Em cada olhar
Sinto-me naufrago
Mergulhado em sentimentos
Hoje apenas meus
Mas que um dia foram nossos
Um dia pensei que seria
O acalanto para minha alma
Calmaria em meu coração
Que vive em chagas
Perdido nas sombrias lembranças
De um passado nosso que se perdeu
Carregado de sonho
Desfeitos...
De amores que me mentiram
De vindas e partidas
Minha essência perdeu-se
E o que me resta
É vagar por este mundo
Feito fantasma sobre as sombras
De um amor que morreu
Levando com ele
O pouco que ainda restava em mim
E se fez morada em seu ser...



0 comentários:

Postar um comentário