quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Das Quimeras do Amor.



O tempo me fez entender
Que o amor de ontem 
Não o mesmo a cada manhã
Tudo se modifica
Transforma-se
E as coisas para mim 
Sempre evoluem para o pior
Como uma peste 
Apodrecendo meus sonhos
Infectando meu coração
Não acredito mais no amor
Nem ao menos sei se
Ainda sei amar
Tenho tantas vontades
Mas apenas me restam anseios
E a última esperança
Quem sabe more em seus lábios
Ou quem sabe não exista
Ou tão pouco existiu
E o que me resta é tão pouco
Quase nada...
Mas enquanto uma lagrima 
Brotar em meus olhos
Saberei que ainda continuo viva
Sem espera...
Sem anseios...
Folha morta solta ao vento.


Guria Faceira 

By Juci Diass

0 comentários:

Postar um comentário