domingo, 14 de outubro de 2012

Acaso


Quem sabe assim por acaso
Eu me encontre em seus braços
Me perca em seus lábios
Como uma doce canção...

Quem sabe o acaso
Das risadas tolas
Das lagrimas amargas
Esconda em nossa alma
A ternura de amar...

Quem sabe o acaso
Das noites sozinhas
De pensamentos distantes
Por horas tão longe lhe trouxesse
Para perto de mim...

Quem sabe o acaso
Dos delirantes sonhos
De desejos ocultos
De dimensões confusas
Por entre a lua
Me sinta toda nua
Tão sua... Tão sua...

Quem sabe o acaso
Dos banhos de chuvas
De gotas tão puras
De beijos molhados
Não seja um recado
Camuflado banhado de amor...

Quem sabe o acaso
Dos amores perdidos
De todas as brigas
De muitas partidas
De lembranças amargas
Não seja a vida
Nos ensinando a amar...

Quem sabe o acaso
De todo descaso
Não seja a forma
Em todas as formar de sentir o amor
Que por acaso,
Deixou de ser caso
Desde o dia em que você chegou
Que não mais por acaso para sempre ficou...

By Juci Diass


6 comentários:

Psiquismo Desmistificado disse...

OLá querida Guria,
Pois eu fiquei encantado!! Uma bela poesia!!
Adorei!
Beijoss

Carlos Souza disse...

Lindos versos, Juci!

Beth Muniz disse...

Nossa!
Guria,
Belíssima poesia.
Compartilhada, votada e indicada.
Parabéns.
Beijão.

Henrique Neves disse...

Olá Juci...

O acaso pode nos trazer coisas que jamais pensávamos em encontrar, e nos fazer acreditar na verdade que não existia. Mas, a melhor coisa que o acaso pode nos oferecer é encontrar um amor que não planejamos ter em nossas vidas.

Linda poesia Juci.

Um grande Abraço.

Suelen Muniz disse...

Quem sabe não seja tudo um grande acaso,uma obra do destino ou coisa assim.
Bacana teu espaço,adorei conhecê-lo!Um bom domingo,=)

rabiscosdomane@gmail.com disse...

Que bom ver que a mais linda ruiva continua muito inspirada!

Postar um comentário