quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Apenas me segure



Amaldiçoada ironia irrelevante seu passado
Que surge, ressurge em minha mente.
Febril duvida medo de se entregar
Receio de seus passos errantes
Que fazem de mim mera personagem tola
Entre meus pensamentos que desconsolam meu coração
Desequilibrando meu ser
Estenda-me a mão
Estou caindo mais uma vez
Prenda-me em seus braços
Faça-me confiante
Eu quero acreditar
Acreditar que tudo virou cinzas
Sem medo de renascer
Sem nada a temer
Que o silencio não congele minha alma
Não me desfaça mais uma vez.
Já vivi sobre as trevas
Sem temer a escuridão
Já provei todos os cálices amargos da desilusão
Mas você me mostrou a luz
Uma nova maneira de sentir,
De amar de desejar
Alimentou minha alma, cativou cada sorriso.
Dancei o amor, bailei sobre meus versos
Cada um dedicado a você
Hoje minha alma repousou
Deixando em meu ser o vazio
Estou caindo mais uma vez
Segure minha mão
Segure-me
Apenas me segure...


3 comentários:

Sissym Mascarenhas disse...

Eu vim lhe segurar, numa abraço apertado, se o amor dói de vez em quando, tem a amizade de uma Fada.
Bjs

Victor Martins (desabadevaneios.blogspot) disse...

desequilíbrio de cada dia!!E a Guria volta das cinzas na escrita poética....bjs

regina claudia/requeri disse...

vim aqui ... beijo belezinha!!!

Postar um comentário